QUADRADINHOS – Sguardi sul fumetto portoghese / Looks on Portuguese Comics

quadradinhos-COVER

In the aftermath of the Treviso Comic Book Festival came a very interesting anthology entitled “QUADRADINHOS – Looks on Portuguese Comics” that feature short stories from all the participating artists and some with collaborations with others: João Fazenda, André Coelho with Manuel João Neto (same team of Terminal Tower), José Smith Vargas, Ana Biscaia (Best Portuguese Illustration Prize 2013) with João Pedro Mésseder, Nuno Saraiva, Francisco Sousa Lobo (The Dying Draughtsman, Art Review), Afonso Ferreira (Love Hole), Pedro Burgos, Filipe Abranches, Miguel Rocha with Susana Marques, Joana Afonso with André Oliveira, Jorge Coelho (Image, Marvel) with Paul Allor (from USA), Pepedelrey and Rudolfo (Negative Dad).

This anthology also includes a preface by Marcos Farrajota and a small History of Portuguese comics by Alberto Corradi.

The book is written in Italian and English.

You can buy it HERE (15€, free postage for EU countries)and soon in the following stores: Feira do Livro de BD e Poesia, El Pep, Mundo Fantasma, Matéria PrimaArtes & LetrasPó dos Livros and Letra Livre. Soon at FNAC, Bertrand,…

0304These are sample pages from my story, “The Slowest Hour”, together with Manuel Neto.

Zona de Desconforto

Aparentemente o Zona de Desconforto ganhou um prémio do AmadoraBD, por isso já posso voltar a publicar um post sobre ele para ver se o compram (está à venda em muitos sítios como a loja online da CCC, Palavra de ViajanteArtes & Letras, Pó dos LivrosEl PepMundo Fantasma, LAC, FNAC, Feira de Poesia e BD, Bertrand, Letra Livre e Neurotitan):

Zona

Zona de Desconforto é uma recolha de relatos de autores de Banda Desenhada que foram estudar ou trabalhar para fora de Portugal
Os autores apesar de terem sido “obrigados” a trabalharem em registo autobiográfico para relatarem as suas experiências, que vão da leve piada do choque cultural às reflexões profundas e intimistas, ainda assim o estilo pessoal de cada autor não foi prejudicado.
Organizado por ordem cronológica, o livro começa com André Coelho, que estudou em Barcelona, em 2006, e expõe as questões nacionalistas catalãs, mas a experiência similar de Amanda Baeza no País Basco (estudou em Bilbao, em 2010) é mostrada de uma forma oposta e “leftfield”.
Holanda vai ser uma coincidência de país para a “globe trotter” Christina Casnellie (em 2006) e um ano mais tarde, José Smith Vargas, maior é a coincidência é que  ambos desmontam a sociedade holandesa e a “pan-ibérica”.
Londres também é uma “coincidência” para encontramos Ondina Pires (ex-Pop Dell’Arte, ex-The Great Lesbian Show) entre 2008 e 2010, e Francisco Sousa Lobo (vencedor do concurso “500 paus”) entre 2010 e 2013, que usam “comic relief” q.b. para contar a depressão que se sente na capital inglesa, e no caso de Lobo esta sua BD é uma “companion” para o badalado romance gráfico O Desenhador Defunto. Mas antes, David Campos complementando a sua experiência da Guiné-Bissau (relatada no Kassumai) visita o resort  de Cap Skirring (Senegal) em 2007 para alertar-nos da exploração não só de recursos económicos mas também sexuais de África.
Em 2013 ainda temos as instrospecções políticas de Tiago Baptista em Berlim, durante uma residência artística; e mais extremas as deslocações sul-americanas de Júlia Tovar para Buenos Aires, decidida a criar a sua família, e com alguma ponta de ironia Daniel Lopes mostra o Brasil como o “futuro”, na sua recente visita profissional, como académico.
Esta edição foi coordenada por Marcos Farrajota, frustrado e impotente em testemunhar a emigração, em alguns casos forçada, dos seus amigos e conhecidos à procura de melhores condições de vida, num país que deixa um filha-da-puta de um político alarvar bitaites de que “o melhor que os jovens portugueses têm a fazer é emigrar”.
O livro não tem uma “agenda política” porque deixa que o relato de cada autor siga o seu rumo, com saldo positivo ou negativo, deixando ao leitor a interpretação que desejar.
Longe de nós impormos seja o que for…
Arranjo gráfico: Joana Pires; Capa de João Fazenda; Apoios do IPDJ, Alt Com / Tusen Serier
o livro custa 10€ (50% desconto para sócios da CCC, jornalistas e lojas) à venda na loja online da CCC e na Palavra de ViajanteArtes & Letras, Pó dos LivrosEl PepMundo Fantasma, LAC, FNAC, Feira de Poesia e BD, Bertrand, Letra Livre e Neurotitan.
Historial: lançado na Palavra de Viajante, a livraria mais bonita de Lisboa a 5 de Abril de 2014 … vencedor do Melhor Álbum Português pela BD Amadora 2014
Feedback: Grande edição! Podes dizer ao Sousa Lobo que graças a ele voltei a acreditar na BD portuguesa. Que estouro. André Coelho (por e-mail 04/04/14) … já li o livro, falta o Francisco que guardei para o fim, gostei bastante, é bom os trabalhos serem tão diferentes, acho que as histórias conseguem mesmo levar-nos para outros tempos e espaços geográficos, fizeram-me sentir mesmo fora daqui e todas as problemáticas que isso acarreta, não que sentisse um profundo envolvimento mas consegui deslocar-me… isso é bom. como se de estória em estória saltasse de cidade em cidade. Depois vou ler a história do Francisco e reler tudo de seguida a ver como é… Tiago Baptista (por e-mail 04/04/14) … ‘Tá bem apanhado, o título. Li num parque rodeado de turistas, a pensar que ia compensar a sensação “Portugal, Inatel da Europa”. Não tenho a certeza, e parece que apanhei a sensação turística no obverso. O Lobo, se calhar porque parece ter mais espaço que os outros, apanha bem a coisa ‘tuga: é como rir de alguém que tem um problema sério. Fora isso acho que o livro caiu ao chão quando li a história dele, de tão pesada que era. O género autobiográfico é fodido e em vez de heróis ficaram os episódios. O Baptista e o Coelho parece que quiseram meter lá os heróis em vez deles. A Amanda Baeza é um pequeno ovni… já tinha falado com ela sobre este bolo basco pesadíssimo, que estou a pensar fazer um dia. Outros, tendo estilos que me pareceram familiares, não retive tanto. Curti algumas piadas da história da Tovar, e se já vi a cena de estar nu noutro lado, ri na mesma quando vi. Fixe o traço do Campos e a deambulação anti-Club Med. Fiquei a saber o que é um flessenlikker e vou ver se arranjo um, para poupar uns trocos e viajar mais. Astromanta (por e-mail 17/04/14) nice book, is an architecture/city sketchbook of tales Valério Bindi do Crack Festival (e-mail 20/04/14) … Os autores destas histórias a vermelho, nada inocente, seguramente, poderão usar diferentes intensidades dessa leitura dupla. Podemos lê-las como pequenos apontamentos autobiográficos ou impressões do “lá fora”, mas perder-se-ia parte do seu poder colectivo. Mas é na sua conjunção, e no seu gesto editorial total, que percebemos a responsabilidade assumida na identificação do desconforto apontado. Pedro Moura / Ler BD … Dez autores com registos muito distintos criam uma harmonia que já vai sendo regra nos livros colectivos da editora e que deve mais à mundividência partilhada do que qualquer esforço de homogeneização. (…) tem algo de antologia de BD contemporâena, mas a sua verdadeira vocação é a de dar a ver / ler o mundo estilhaçado que nos coube Sara Figueiredo Costa / Expresso … De facto todas as histórias de Zona de desconforto trabalham a percepção que qualquer grau de segurança está a um passo de ser exposto quando se dá um passo no desconhecido, mesmo um desconhecido próximo. E para abordar o mundo é necessário cada vez mais dar esse passo. JL

SEPULTURAS DOS PAIS / AMADORA BD

No próximo sábado, dia 25 de Outubro, pelas 16:30h estarei pelo Amadora BD para a apresentação do livro de banda desenhada “Sepulturas dos Pais”, escrito por David Soares e ilustrado por mim. A edição estará a cargo da Kingpin Books. Apareçam para saberem um pouco mais sobre esta

Logo de seguida vou estar a dar autógrafos das 17h00 às 19h00 por isso trazei os vossos posters arrancados à socapa, discos, antologias da Chili Com Carne, Terminal Towers e obviamente Sepulturas dos Pais acabadinhos de comprar para eu assinar ou desenhar.

sep_capa

sep_bg

ENDLESS DESCENT INTO OBLIVION

The new Malignant Records compilation is just out and features 39 fantastic tracks of industrial, power electronics and ambient music. As in the previous editions, this was the result of the partnership of Malignant Recs. with Steven Williams from the awesome netlabel Kalpamantra, who invited me to do the cover!

Check “Endless Descent Into Oblivion” here, contribute and download this mammoth!

preview1